'' Rincão Nativo ''

Autor: Luis Gaudério

Rincão Nativo Bendito
Corredor das etnias
Palco de Pulperias
Desde o tempo do seu ” Tito ”
Cavalgou para o Infinito
Com toda sua nobreza
Deixei para nós um legado
Um cantinho abençoado
O mais nobre da ” Princesa ”

És o canto Nativista
É, o berço da culinária
És Tertúlia Literária
Para os contadores de historia 
Tu tens uma trajetória
De infinitos valores
Do churrasco ao carreteiro
Hoje tu és o celeiro
De poetas e cantadores

Tens a proteção divina
Com terços da catedral
Tu é o cartão postal
Da nossa terra sulina
Serve de berço as meninas
Mariana e Gabriela
Prendinhas bem pitorescas
No comando da Vanesca
O rancho não tem tramela

Quem chegar por estes pagos
Seja gaúcho ou paisano
ou talvez algum hermano
rumbeando em busca de atagos
tomando quem sabe uns tragos
para as magoas do seu peito
pode chegar no rincão…
com amor, no coração
aqui serás bem aceito

Teu nome é conhecido
No Brasil Sul Rio Grandense
És um filho pelotense
O chão em que foi nascido
Por Deus tu foste escolhido
Tens o sabor das compotas
Quem por aqui passar
Não vindo te visitar
perdeu o que tem Pelotas

por isso te engrandeço
rico rincão sem fumaça
com água benta da raça
te batizo e te agradeço
porque fostes o começo
desse grande ritual…
quem te vê jamais esquece
pra quem te fez, uma prece em tua terra natal.