IE Warning
YOUR BROWSER IS OUT OF DATE!

This website uses the latest web technologies so it requires an up-to-date, fast browser!
Please try Firefox or Chrome!
Back to top
 

A Bandeira do Rio Grande do Sul

Liberdade, igualdade e humanidade

Restaurante em Pelotas, Rincão Nativo
Restaurante em Pelotas, Rincão Nativo
Restaurante em Pelotas, Rincão Nativo
Restaurante em Pelotas, Rincão Nativo
Restaurante em Pelotas, Rincão Nativo
Restaurante em Pelotas, Rincão Nativo
Restaurante em Pelotas, Rincão Nativo
Restaurante em Pelotas, Rincão Nativo
Restaurante em Pelotas, Rincão Nativo
Restaurante em Pelotas, Rincão Nativo

A bandeira do estado do Rio Grande do Sul tem sua origem nos desenhos de rebeldes durante a Guerra dos Farrapos, em 1835, mas sem o brasão de armas até então. Sua autoria é controversa; alguns apontam Bernardo Pires, enquanto outros apontam José Mariano de Mattos. A bandeira do RS, resumidamente, é a bandeira do Brasil riscada com uma linha vermelha, significando rejeição e morte ao Brasil.

Ela foi adotada oficialmente, como símbolo do estado, logo nos primeiros anos da república. Mas especificamente, através do título VI da constituição estadual promulgada em 14 de julho de 1891.

No entanto, nenhuma lei posterior foi promulgada regulamentando o uso ou descrição da bandeira.
Todavia, Getúlio Vargas, durante o Estado Novo, suspendeu o uso dos símbolos estaduais e municipais, incluindo bandeiras e brasões.

A bandeira só foi restabelecida oficialmente no estado em 5 de janeiro de 1966, através da lei nº 5.213.

 

Significados

Não há um consenso sobre o significado das cores da bandeira riograndense. Uma versão, possivelmente mais próxima da real, dá conta que a faixa verde representa a mata dos pampas, a vermelha simboliza o ideal revolucionário e a coragem do povo, e a cor amarela representa as riquezas nacionais do território gaúcho. Por outro lado, algumas fontes alegam que as cores simbolizariam o auriverde do Brasil separado pelo vermelho da guerra.

Há outras ainda que afirmam ser a bandeira uma combinação do rubro verde da bandeira portuguesa com o auri vermelho da bandeira espanhola, o que faria todo o sentido em uma região de fronteira entre essas duas potências coloniais; há que se salientar, todavia, que à época da Revolução Farroupilha, as cores nacionais de Portugal eram o alviceleste, símbolo da monarquia, e que só mudaria para o rubro verde mais de meio século depois. Este fato põe em dúvida a veracidade desta última versão.

Liberdade, igualdade e humanidade

Sabe-se que o lema escrito na bandeira do estado, tanto quanto os símbolos, estão diretamente ligados à Maçonaria, haja vista que a elite gaúcha militar e política à época da Guerra dos Farrapos era, em sua maioria, maçônica.

Província do Rio Grande do Sul

Durante o período do Império do Brasil, a bandeira da então província do Rio Grande do Sul era dividida em quatro partes diagonais, alternadas nas cores azul e branco.